I

A maioria de nós pensa na religião como uma infantilidade, porém sem entender como se pode chegar a essa conclusão legitimamente. Em geral, apenas ouvimos tal afirmação da boca de algum pensador célebre e nos limitamos a repeti-la como papagaios. Deixando de lado o quanto isso é lamentável, e na suposição de que fazer nosso dever de casa é uma boa coisa, tentemos entender esse raciocínio desde o início.

Como religião é um assunto viciado, sobre o qual pensar com independência tornou-se praticamente impossível, comecemos com um paralelo que exemplifica o que é acreditar em algo que não possui realidade por detrás. Por exemplo, imaginemos que acreditássemos haver algum tipo de vínculo místico entre comida e sexo; e que um dia, quando encontrássemos a comida certa, teríamos orgasmos. Fazer sexo quando se quer ter orgasmos é coisa de indivíduos materialistas. O caminho dos puros é a alimentação. Qual seria o resultado dessa crença? Passaríamos a vida toda frustrados, esperando encontrar algo que não existe. É mais ou menos assim com todas as nossas ilusões, e dentro disso as religiosas são apenas um detalhe. Acreditamos em certas coisas para as quais a realidade não nos dá evidência alguma, e ficamos esperando que a própria realidade mude para satisfazer as ideias erradas que adquirimos na infância. Por que isso ocorre?

Porque o homem é um animal que aprende. Aprende verdades e mentiras também. Devido ao modo como nosso cérebro se forma, aquilo que se aprende na infância jamais nos abandona, esteja certo ou não. Isso significa que estamos condenados à educação que recebemos na infância; ela faz quem somos. Então, depois de educados — coisa que normalmente significa ser treinados a crer nisto e zombar daquilo —, as cartas estão dadas, e só nos cabe jogar; nunca mais mudaremos em qualquer sentido significante. Teremos esse x cravado em nós, e seremos para sempre algo que tem esse x como centro. Como se diz, as pessoas não mudam, e esse é em grande parte o porquê. Se tentarmos mudar, passaremos no máximo a ser um x um pouco diferente — como um que esconde uma de suas pernas para se parecer com um y. Desse modo, estamos livres para abraçar ou combater essas ideias que recebemos na infância, para tentar adaptá-las ou sofisticá-las, mas elas nunca nos abandonarão. Nunca. Elas se arraigam tão profundamente em nossas vidas que se confundem com instintos.

Isso nos permite perceber como é crucial a qualidade da informação que se recebe nessa fase da vida — na qual, diga-se, nada do que aprendemos é nossa escolha. Nosso cérebro está mais preparado para aprender exatamente na fase em que estamos menos preparados para pensar. Um fato bastante preocupante. Isso seria o equivalente a nascer sexualmente ativo e sem a possibilidade de dizer não — a diferença é que estupramos o cérebro das crianças com nossos preconceitos, os quais marcarão para sempre suas personalidades adultas. Em geral, vendo cérebros ávidos à sua disposição, adultos preferem usá-los para perpetuar seus preconceitos inúteis em vez de ensiná-los um pouco sobre a vida que lhes deram ou sobre a realidade na qual os colocaram. Pois bem, qual é o resultado de educar crianças com opiniões falsas sobre o mundo numa época em que jamais conseguirão se livrar daquilo que colocarmos em suas mentes? O mesmo que misturar água e óleo, e aquecê-lo — para sempre. Uma vida para sempre dividida entre a realidade que vemos e as mentiras que amamos.

Educados desse modo, atravessamos a existência imersos em conflitos e confusão, sem perceber que todos os problemas estão dentro de nós mesmos, os quais nascem de nossa maneira incorrigivelmente distorcida de enxergar os fatos, e o mais doloroso é perceber que isso nos foi inculcado por aqueles que mais amamos, com a melhor das intenções. Claro que não cabe a nós decidir como devem ser educadas as crianças de outrem; contudo, abarrotar mentes infantis de ideias estúpidas não significa educá-las, mas apenas traumatizá-las. Não há como desculpar esse tipo de negligência com lero-leros sobre amor paterno. Aprender erros nessa fase da vida significa que, pelo resto de seus dias, seu raciocínio pisará em falso. Foi educada com ideias que não correspondem a nada — como alguém que se apaixona por uma pessoa que nunca existiu. Nessa situação, ela não consegue encontrar essa pessoa, sabe inclusive que ela não existe, mas mesmo assim continua amando-a e buscando-a, e sofrendo por nunca encontrá-la. Fazer isso com crianças seria simplesmente maldade, não fosse o fato de que os pais não têm a menor consciência disso; são vítimas de si mesmos, assim como seus filhos, levando a ignorância adiante.

 

Be Sociable, Share!

4 Comments

    • Jairo Moura
    • Posted 27 de dezembro de 2009 at 0:26
    • Permalink

    E, é claro, estritamente falando, não há nenhum prejuízo na reprodução/sobrevivência desse tipo de pessoas. Também não há nenhuma vantagem significante em entender isso. É mais um dos casos, por assim dizer, da não-imperatividade da verdade, seja lá o que se entenda por “verdade”. Não dá simplesmente para impor algo sem usar de totalitarismo. Como é impossível que todos repentinamente mudem de consciência, o melhor horizonte é esperar que os preconceitos sejam moderados, o que, obviamente, acaba por dar suporte aos extremistas. Em outras palavras, pouca coisa a se fazer, senão dentro de seu próprio círculo de preconceitos hereditários.

    • Error: Não foi possível criar o diretório uploads/2017/09. O diretório pai possui permissão de escrita?
      Victor Alves
    • Posted 27 de dezembro de 2009 at 2:32
    • Permalink

    É por estas e outras que sou veementemente contra a doutrinação irresponsável de crianças para temas religiosos (ou qualquer outro tema). As vezes estas ideias são imbuídas com tanta força que, mesmo ao se questionar em fase adulta, aquela criança sente dificuldade de se livrar da maioria destas deturpações. E pior, aquele que aprende, acaba por passar adiante (e aí entra a velha estória dos memes de Dawkins).

    O grande problema que vejo é que, durante a infância (e por uma questão de sobrevivência) estamos completamente sujeitos à observância de autoridades. Se nossos pais dizem tal coisa, mesmo que pareça duvidosa, certamente nossa mentalidade infantil logo identifica que aquele ente certamente possui maior conhecimento, e talvez possa nos proporcionar melhores meios de sobrevivência. E é aí que se encrusta as ideias religiosas, tão difíceis de se demover mais tarde.

    Cancian, mesmo não tendo nada a ver com seu texto, você me fez lembrar que já houve épocas em que o chocolate era visto com maus olhos pelos religiosos, por proporcionar certo prazer gustativo.

    • Gustavo dos Anjos
    • Posted 27 de dezembro de 2009 at 3:52
    • Permalink

    Opa, gostei André. Texto curto. Mais direto.

    • rosangela dias
    • Posted 27 de dezembro de 2009 at 14:04
    • Permalink

    André,

    Gosto muito de ler os seus textos, gosto de como você maneja a palavra escrita.Acho mesmo que escrever é sua doença vital.

    Sobre o texto, é bem real o que você esclarece.Mas parece que os pais preferem habituar seus filhos ao sentimento da dependência de Deus quando deveriam fazer o contrário… mas escolas também fazem isso. Lembro-me bem de quando meu filho questionou sobre a oração de agradecimento antes do lanche na escola – ele disse que não agradeceria a outra pessoa que não fosse a mãe – e a professora logo interpretou que ele tinha ‘problemas’ e quando ainda, na mesma escola, ele disse que era contra a eliminação do Aedes aegypti porque gente no mundo tinha o suficiente eu tive de transferi-lo para outra escola… o fato de ser inquiridor era perturbador e poucos entendiam isso.


2 Trackbacks/Pingbacks

  1. By Educação e religião: a figura divina on 16 maio 2011 at 1:34 pm

    […] Educação e Religião Parte I – A mente infantil Parte II – O mito do futuro Parte III – A figura […]

  2. By Educação e religião: o mito do futuro on 20 maio 2011 at 4:36 pm

    […] Educação e Religião Parte I – A mente infantil Parte II – O mito do futuro Parte III – A figura […]