É fato inegável que há várias áreas de conhecimento. O que se considera ciência em sentido estrito são todas aquelas disciplinas que aplicam o método científico na sua empresa. Temos, portanto, a biologia estudando os seres vivos; a química estudando a constituição dos elementos na natureza; a física estudando a parte mecânica do universo. A lista é imensa e suas divisões podem ser citadas ad infinitum.

Mesmo fora do escopo da ciência em sentido estrito, há disciplinas que nos dão bons questionamentos que dificilmente seriam alvo de uma análise laboratorial: são as ciências humanas, dentre elas boa parte da psicologia e a filosofia, de modo geral; além das ciências sociais, como a própria sociologia ou o direito. São disciplinas especulativas, que, mesmo sem a relativa certeza do método científico, têm uma boa forma de controle sobre as variáveis que procuram analisar.

É de senso comum que, dentro de uma determinada área de conhecimento, os que trabalham nela são mais autorizados a falar dos elementos incluídos. Não chega a ser um apelo à autoridade, mas é o reconhecimento pelo fato de que não podemos abarcar toda a gama de novas pesquisas em todas as áreas que julgamos interessantes. Somos forçados a escolher uma área de trabalho e a acompanhar remotamente todas as outras nas quais não temos tempo para nos aprofundarmos.

No entanto, não devemos dar total confiança a alguém só porque está no escopo de sua área de conhecimento. Não são raros os casos em que um entusiasta apresenta maior destreza no que deveria ser de domínio do profissional. Uma ideia faz sentido por si só ou não faz de forma alguma. Quem a teve é irrelevante, desde que se consiga usar de métodos confiáveis de análise e reprodução.

Com essa separação didática entre as disciplinas, fica fácil identificar qual delas é mais apta a nos dar respostas para determinado fato. Tirando as obscuras áreas interdisciplinares (físico-química, bioquímica etc.), sabemos muito bem a quem nos reportar. E raramente precisamos mais do que daquela área para saciar nossa curiosidade.

É com esse tipo de discurso que alguns religiosos tentam justificar suas crenças. Para este tipo de pessoas, a ciência não entra em terreno da religião e a religião não procura ser científica. Mas é realmente uma alegação legítima?

Não. Em primeiro lugar, à parte das religiões “ateístas” orientais, toda e qualquer religião postula a existência de um ou mais deuses. A existência objetiva de algo é uma alegação completamente passível de estudos científicos. Em segundo lugar, todos os fieis que louvam suas divindades esperam algum tipo de resposta ou intervenção para os seus pedidos. Caso tivessem respostas objetivas, a interação seria facilmente identificada.

É fato que a maioria dos mitos de criação das religiões atuais só passaram a ser vistos como tal depois de um conhecimento razoavelmente bom sobre as origens de nosso universo. Até então, o que estava em livros sagrados era tido como a verdade revelada, seja sobre elefantes montados em tartarugas ou sobre escultores de argila.

Já que a religião não pode, em tese, fazer alegações científicas sobre o mundo, pois esta não é sua função – ou seu magistério, como diria Gould[1] –, o que resta para ela? Que área de conhecimento ou atuação lhe é exclusiva? Para aqueles que alegam a área de conforto contra os fatos negativos da vida (i.e. morte, dor, perda), será que não podemos ter isso por meios puramente seculares? Aos que alegam obras e instituições de caridade, não temos tantas outras de igual ou maior valor que são, no entanto, laicas?

A resposta parece ser óbvia: não há mais lugar para a religião em nosso mundo e o preço que temos que pagar por seus benefícios há muito já ultrapassaram a nossa quota de tolerância. O prejuízo é evidente e só não enxerga quem não quer sair do barco que naufraga lentamente.

[1] GOULD, Stephen Jay. Nonoverlapping magisteria. Artigo disponível em <http://www.stephenja…gould_noma.html> Acesso em 26 fev. 2010.

Be Sociable, Share!

4 Comments

    • Red Guy 32
    • Posted 13 de março de 2010 at 8:50
    • Permalink

    Religião vem do latim religare, que significa religar. Religar o homem a Deus. Você diz que não existe mais lugar para a religião no nosso mundo e vamos dizer que isso seja verdade. Quanto tempo levaria para essa “transição”, se as pessoas estivessem se tornando gradativamente ateias? Realmente muito tempo pois a razão entre religiosos e ateus é um número considerável. É óbvio que haveria religiões que teriam malefícios, pois Jesus mesmo disse isso em Mateus 12;33. Mas daí a dizer que não há mais espaço para a religião no mundo é um salto muito grande. Se fosse assim, todas as igrejas estariam em franca decadência, mas ainda se encontram várias igrejas em expansão, por saber dar as respostas que as pessoas querem. “Felizes os cônscios de sua necessidade espiritual” Mateus 5;3.

    • Error: Não foi possível criar o diretório uploads/2017/03. O diretório pai possui permissão de escrita?
      Jairo Moura
    • Posted 13 de março de 2010 at 14:23
    • Permalink

    Em primeiro lugar, as pessoas não precisam ser ateias pra largar a religião. O índice de irreligiosos já supera o de religiosos em muitos países. Em segundo lugar, usar a bíblia para qualquer coisa sem antes mostrar evidências de deus(es) é uma falácia chamada “petitio principii”. Pra finalizar, saber dar o que as pessoas querem (ou criar nas pessoas o desejo) é uma arma publicitária muito forte, mas que não tem nada a ver com utilidade ou veracidade de qualquer afirmativa.

    • Red Guy 32
    • Posted 13 de março de 2010 at 23:21
    • Permalink

    Irreligioso seria o deísta? Pq o deísta, pra mim, é religioso, pois busca o religare que eu já citei.
    A Bíblia é um documento histórico, além de ser um religioso. Vc aceita os escritos de Aristóteles ou a obra de Tucididas? Então também precisa aceitar a Bíblia, sem parcialidade.
    Aquilo que vc chama de “arma publicitária”, eu chamo de característica inerente ao ser humano. Isso já nem é mais religioso e sim filosófico, pois a necessidade espiritual faz parte do Homo Sapiens. Assim, ninguém cria desejo algum. E é óbvio que isso é útil pois supre aquela necessidade.

    “Sem fé é impossível agradar a Deus; pois é necessário que o que se chega a Deus, creia que há Deus e que se mostra remunerador dos que o buscam.” Hebreus 11;6.

    • Error: Não foi possível criar o diretório uploads/2017/03. O diretório pai possui permissão de escrita?
      Jairo Moura
    • Posted 13 de março de 2010 at 23:23
    • Permalink

    Dixit.


2 Trackbacks/Pingbacks

  1. […] Da função atual da religião Compartilhe […]

  2. By Das origens da religião II: produto acidental on 18 maio 2011 at 12:54 pm

    […] Da função atual da religião […]