Apesar das evidências que dão suporte às ideias de Darwin, uma porção considerável dos cristãos insiste em defender com unhas e dentes as fábulas do gênesis bíblico. Isso não é nenhuma novidade, e essa resistência aos fatos ― notória principalmente entre os protestantes, no universo cristãos ― tornou-se tabu. “Ensine a controvérsia”, eles dizem. É como defender o ensino oficial de que o holocausto pode mesmo não ter existido, ou que o mundo é plano e encontra suporte no casco de tartarugas gigantes ou ainda que as pirâmides do Egito foram construídas por seres alienígenas.

Design de camisetas que satirizam o movimento Teach The controversy.

Design de camisetas que satirizam o movimento Teach The controversy.

Mas não é exatamente sobre criacionismo que quero tratar hoje, mas sim sobre a implicância de determinada ignorância no mundo prático. Que mal pode ter? Deixe que os cristãos tenham suas fantasias sobre homens vindo do barro. O que não se percebe é a carga de dano potencial de que tais ideologias estão carregadas. Nos Estados Unidos ― um dos países mais poluidores do mundo ― há várias correntes religiosas que negam a existência do Aquecimento Global, e professa que mesmo que o planeta esteja se degradando, pouco importa pois Jesus voltará a tempo para julgar a humanidade e restabelecer a ordem. Mas nem todas as denominações protestantes americanas negam a existência do Aquecimento Global, algumas acreditam que Deus é o responsável pela mudança climática como forma de nos alertar e alterar o nosso comportamento.

Trata-se de uma tentativa de denegrir o conhecimento científico em detrimento da incapacidade dogmática religiosa. Como afirma Lawrence Krauss, físico e diretor da Origins Initiative, da Universidade Estadual do Arizona:

“Onde houver uma batalha sobre a evolução hoje, há uma batalha secundária para suavizar outros assuntos quentes, como o Big Bang, e, cada vez mais, a mudança climática. Trata-se de lançar dúvidas sobre a veracidade da ciência – dizer que essa é apenas mais uma visão do mundo, mais uma história, nem melhor nem mais válida que o fundamentalismo.”

Por ser um país religioso em sua essência, inúmeros projetos de leis ― alguns chegam mesmo a ser aprovados ― combatem o ensino das teorias científicas em escolas públicas. A assembleia legislativa de Kentucky não é exceção, e um exemplo disso é o projeto apresentado pelo deputado estadual Tim Moore, que pretende negar o efeito estufa e a ação do homem como capaz de alterar o ecossistema. “Nossos filhos estão sendo apresentados a teorias como se elas fossem fatos”, afirma o deputado, “especialmente no caso do aquecimento global, tem havido um ponto de vista politicamente correto na elite educacional que é muito diferente da ciência sólida”.

Nenhum ritual religioso foi capaz de salvar o povo Azteca do seu destino.
Nenhum ritual religioso foi capaz de salvar o povo Azteca do seu ocaso.

A ignorância e a relutância para aceitar fatos solidamente comprovados nem sempre podem ser encarados com inocência e complacência. Ao revés, há uma necessidade latente para que se combata esse tipo de ideologia danosa, muitas vezes hipócrita, que ainda hoje tenta impedir o avanço científico. Não precisamos mais da vigilância religiosa para nos dizer que a terra é o centro do universo, que a terra é plana ou que através de indulgências era possível comprar um terreno nos céus. Tais absurdos pertencem aos museus e livros de história, já não há mais espaço para essas puerilidades em nosso mundo hodierno. Justificar o aquecimento global como a vontade de deus, e acreditar ser possível reverter a situação através de oração e obediência religiosa é equivalente a sacrificar homens em pirâmides e esperar saciar a sede de sangue dos deuses. Todos nós sabemos como essa história termina.

Be Sociable, Share!